Sindiposto | Notícias

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, rebateu o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, e voltou a cobrar, neste domingo, a redução do preço dos combustíveis. Silveira disse que não compreendeu as declarações de Prates e afirmou que os preços dos combustíveis são importantes para garantir a inflação dentro da meta.

Pelas redes sociais, Prates disse que, se o MME quiser eldquo;orientar a Petrobras a baixar os preços de combustíveis diretamenteerdquo;, será necessário seguir tanto a Lei das Estatais e as regras do Estatuto Social da companhia. A fala do presidente da Petrobras foi em resposta a uma cobrança feita por Silveira na sexta-feira, quando o ministro pediu a redução do preço dos combustíveis.
emdash; Foi com muita serenidade que vi as falas do presidente da Petrobras, mas não as compreendi. Eu não fiz nada mais do que ressaltar os compromissos do governo com o país assumidos com a eleição. Eu disse que os preços dos combustíveis são parte essencial da meta de inflação emdash; disse Silveira ao GLOBO, procurado para comentar as declarações de Prates.

O ministro ainda disse que não se pode criar o que chama de factoide.

emdash; Não há nenhuma necessidade de haver criação de factoide onde não existe. Nós não temos divergências de mérito. Só temos que ter cuidado na forma.

O ministro disse que houve redução do valor do barril de petróleo e o dólar se estabilizou. Segundo ele, o argumento de que é necessário não repassar a volatilidade nos preços não se justifica, porque o último reajuste foi há um mês.

emdash; O que nós precisamos agora é que uma empresa igual a Petrobras, além de atrativa para para o investidor, tenha clareza sobre a sua função social, que está na Constituição, na Lei das Estatais. Todas as empresas têm seu caráter também social. Eu levei a público dados objetivos. No último aumento da Petrobras o Brent estava US$ 92. Hoje estava em US$ 78. Eu tendo a concordar com o presidente da Petrobras que uma menor volatilidade dos preços é fundamental emdash; disse ele, ressaltando que as ações da Petrobras subiram nos últimos meses.

Para o ministro, a volatilidade não pode ser o único compromisso da Petrobras. Ele ressalta também a necessidade de eldquo;dar uma resposta mais rápidaerdquo; com a queda nos preços e disse que a diretoria da Petrobras foi escolha do Lula, embora diga que não vá levar esse assunto ao presidente.

emdash; A diretoria da Petrobras e de escolha do presidente da República. A orientação ao presidente Jean Paul é feita pelo conselho de administração em que o governo tem maioria. A orientação, que ele deveria entender na minha opinião, ela é feita pelo formulador das políticas de petróleo, gás e biocombustíveis do país, que está na lei que é o ministro de Estado de Minas e Energia. Eu me dirijo com o mais profundo respeito ao meu colega Jean Paul. Mas o meu respeito não pode ser contradito ao meu compromisso de fazer com que o país dê certo e consequentemente possamos colher frutos desse sucesso econômico.

Prates e Silveira acumulam divergências internas desde o começo do governo em diversos temas, como preço dos combustíveis e a condução da política de gás.

Fonte/Veículo: O Globo

Leia também:

article

Testar biodiesel puro ou o aumento da mistura? Para as montadoras, os dois

As experiências que algumas empresas brasileiras vêm fazendo, de utilizar biodiesel puro (B100) e [...]

article

ANTT atualiza tabelas dos pisos mínimos de frete

Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou, no Diário Oficial da União da última [...]

article

Novas obrigações da ANP para os agentes econômicos que comercializam óleo diesel

A ANP publicou em 02/05/2024 a Resolução 968 que entrará em vigor em 31/07/2024 e traz novas espe [...]

Como posso te ajudar?