Impostos representam metade do preço pago pela gasolina

06/01/2018

Minas Gerais começou o ano de 2018 com o título de segundo estado da região Sudeste que paga mais impostos sobre a gasolina, perdendo apenas para São Paulo, o que causou revolta dos consumidores e proprietários de postos mineiros. Para tentar mudar essa realidade, motoristas, motociclistas e filiados ao Minaspetro, sindicato que representa os postos, estão colocando faixas de protesto nos estabelecimentos e distribuindo adesivos com mensagens de reprovação ao aumento.

O título de segundo lugar com maior carga tributária da região veio a partir do reajuste do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). A alíquota da gasolina passou de 29 para 31% , o equivalente a 12 centavos a mais pelo litro de combustível. Se a carga tributária não correspondesse a 50% do preço pago, encontrar gasolina a R$2,00 faria parte da realidade dos motoristas.

O aumento do preço da gasolina gera uma cascata de aumentos em produtos e serviços. O setor de transportes é o mais afetado. São influenciadas também os sistemas de transportes, entregas a domicílio e pessoas que utilizam automóveis próprios para ir ao trabalho. Muitos estão cogitando voltar a usar o transporte coletivo.

Os postos de gasolina não ficaram imunes aos prejuízos: tornou-se mais difícil manter estoques de produtos e a margem de lucro dos proprietários não aumenta proporcionalmente a alta do imposto. No interior o custo é ainda maior, já que o transporte da gasolina depende de mais tempo.

Fonte: Portal R7