Setor do etanol contesta cálculo de 70% do preço do álcool em relação à gasolina

31/12/2017

Motoristas com carro flex podem encontrar opções vantajosas em Ipatinga, no Vale do Aço; em Governador Valadares, no Vale do Rio Doce, e em Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri. Nos três municípios, o valor do preço médio do álcool está abaixo da relação de 70% do preço da gasolina. Esse percentual é usado como referência para verificar o melhor custo-benefício entre os dois combustíveis. Além desses dois municípios, somente em Congonhas o álcool tem vantagem sobre a gasolina, sendo que na maior parte das cidades listadas pela Ag~encia Nacional do Petróleo (ANP) a gasolina ganha na comparação.

O presidente da Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais (Siamig), Mário Campos, afirma que pesquisas do Instituto Mauá de Tecnologia contestam esse percentual e aponta que o desempenho do álcool tem se mostrado superior a isso, ultrapassando os 75%, dependendo do modelo do veículo. “Essa história de 70% é uma convenção do mercado. A análise de três modelos de veículos mostrou que os percentuais estão bem acima desse valor. Além disso, a gasolina está variando muito e o preço do etanol está cada vez mais competitivo”, afirma.

À caminho de Búzios, a advogada Maria Fernanda Claro, de 35, encontrou opção vantajosa para abastecer o carro a álcool em Juiz de Fora, no Campo das Vertentes. “Abastecemos a R$ 2,79 e, pela regra, estava compensando em relação a gasolina. No estado do Rio, o preço é bem maior. Em Búzios, o álcool está a R$ 3,87 e a gasolina a R$ 4,90. É sempre mais caro do que a média nacional”, afirma.

Fonte: Estado de Minas