Preço do barril de petróleo dispara e atinge o maior patamar desde 2014

20/04/2018

O preço do barril do petróleo no mercado internacional disparou nas últimas semanas e atingiu o maior patamar desde o fim de 2014, com reflexos imediatos nos postos de combustível.

O carro é pequeno. No tanque nem cabe tanto combustível. Mas olha a conta. Tem motorista que fica até revoltado.

O posto fica bem no meio de uma avenida importante da Zona Norte do Rio. Por isso está sempre muito movimentado. Mas os frentistas notaram uma mudança no comportamento dos clientes nos últimos dias. Com altos preços, pouca gente de lá com o tanque cheio. “O pessoal está chegando, bota menos, ou bota R$ 100, bota R$ 150. Mas não são todos que enchem o tanque”, afirma um frentista.

O Rio é o segundo estado com a gasolina mais cara do país porque tem o ICMS mais alto. No Acre, o custo com o transporte do combustível faz o consumidor pagar ainda mais. Em um ano, a gasolina subiu, em média, quase 17%; o diesel, 12,5%.

O motivo está fora do Brasil. “Nas últimas semanas o preço da gasolina vem subindo muito porque o barril disparou de preço no mercado internacional em função dessa possível invasão dos Estados Unidos na Síria. Sempre que se tem algum evento de possível guerra ou conflitos políticos naquela região do Oriente, o preço do petróleo dispara”, afirma Adriano Pires, economista do CBIE.

O barril atingiu na semana passada a maior cotação em quase três anos e meio e, desde outubro de 2016, a Petrobras repassa todas essas variações de preço para as refinarias no Brasil.

“Não há uma definição melhor para um preço justo, porque é um preço que é definido por um mercado que tem um grande número de compradores e vendedores. Lembrando, mais uma vez, que menos de um terço da gasolina é Petrobras”, explicou o presidente da estatal, Pedro Parente.

Hoje, os impostos são quase metade do preço da gasolina e 30% do preço do diesel. “Qualquer país do mundo, quando o preço do petróleo sobe muito, o que que ele faz? Ele reduz a carga de impostos. No Brasil não, é ao contrário. A partir de 2017, quando o preço do barril começou a subir bastante, o governo federal aumentou o PIS/Cofins e os governos estaduais aumentaram ICMS. Então é isso que a gente tem que entender”, afirmou Adriano Pires.

Enquanto isso, o Erick apela para o santo das causas impossíveis: “Nem ele está conseguindo. Não tem vela que dê jeito”.

Para assistir a esta reportagem na íntegra, clique aqui.

Fonte: Portal G1 (Jornal Nacional)