Governo vai enviar projeto de reforma tributária ao Congresso, diz Meirelles

27/02/2018

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta terça-feira que o governo pretende enviar ao Congresso Nacional uma proposta de simplificação tributária. Em entrevista à rádio “FM Capital”, de Campo Grande (MS), ele afirmou que, como a reforma da Previdência terá que esperar, por conta da intervenção federal no Rio de Janeiro, o governo está focado em melhorar a legislação tributária.

Ele ressaltou, no entanto, que o Brasil não conseguirá reduzir a carga tributária enquanto não aprovar uma reforma da Previdência. Segundo o ministro, o país tem enfrentado sucessivos déficits nas contas, boa parte disso justificado pelo aumento nas despesas previdenciárias. Ele lembrou que, sem a reforma, o Orçamento do ano que vem será impactado entre R$ 14 bilhões a R$ 15 bilhões.

— A reforma tributária virá antes da Previdência agora que a Previdência vai ter que aguardar o final da intervenção federal do Rio. Mas a carga tributária do Brasil não poderá diminuir rapidamente se nós não cortarmos as despesas. (…) A despesa aumenta muito, principalmente a Previdência.

O ministro deixou claro que o governo não desistiu da reforma da Previdência. E disse que, “na pior hipótese”, a intervenção federal no Rio durará até o fim do ano e a reforma poderá ser retomada em seguida.

Questionado sobre a criação de um tributo similar à CPMF, o ministro afirmou apenas que a taxa não é capaz de bancar o crescimento das despesas previdenciárias.

— Não é uma solução para resolver esse problema.

ELEIÇÕES

Questionado novamente sobre uma possível candidatura à Presidência da República, Meirelles afirmou que analisa “dar continuidade a tudo que está sendo feito no Brasil”. Ele citou uma série de projetos da pauta econômica que já foram aprovados, como o teto dos gastos e a reforma do ensino médio, e que ainda estão em andamento, como a reforma tributária.

— Estamos empenhados nesse trabalho agora, mas vamos analisar a possibilidade de continuar colaborando no futuro nos candidatando à Presidência da República.

Fonte: O Globo