Petrobrás diz que fica com 28% do preço da gasolina e 49% do diesel

20/02/2018

A Petrobrás passa a divulgar a partir desta segunda-feira o preço que pratica nas refinarias para a venda de gasolina e diesel às distribuidoras. Em comunicado, a empresa alega que essa mudança dá mais transparência à composição do preço final dos combustíveis, reiterando o que disse ao Broadcast no último dia 7 de fevereiro o presidente da Petrobrás, Pedro Parente. Já estava previsto o início dessa forma de divulgação após a semana do Carnaval.

Segundo a Petrobrás, a empresa fica com 28% do preço total da gasolina e 49% do preço total do diesel. Na divulgação desta segunda-feira, o valor da gasolina A, que será cobrado nas refinarias a partir de amanhã (20), é de R$ 1,5148 e o do litro do diesel A, de R$ 1,7369. Já o Gás Liquefeito de Petróleo residencial (gás de cozinha), continua com o mesmo preço, R$ 23,16, até abril, seguindo a nova política de ajustes trimestrais anunciada em janeiro deste ano.

De acordo com a estatal, utilizando dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio da gasolina em outubro de 2016 – quando foi adotada a nova política de preços da Petrobrás – era de R$ 3,69 por litro. Em fevereiro de 2018, havia subido para R$ 4,23 o litro. Houve, portanto, uma variação de 54 centavos. Neste total, os ajustes feitos pela Petrobrás respondem por 9 centavos, ou seja, um sexto do ajuste total.

No caso do diesel, o preço médio em outubro de 2016 era de R$ 3,05 por litro. Em fevereiro de 2018, havia subido para R$ 3,40 o litro. Houve, portanto, uma variação de 35 centavos. Neste total, os ajustes feitos pela Petrobrás respondem por 12 centavos, ou seja, cerca de um terço do ajuste total.

Além da fatia da Petrobrás, os componentes que formamos os preços dos combustíveis são a distribuição e a revenda, os tributos e as misturas de outros produtos. No caso da gasolina, a distribuição e a revenda ficam com 14% do total; os tributos (ICMS, Cide, PIS/Cofins) com 45%; e a mistura do etanol anidro com 13%. No diesel, a mistura com o biodiesel corresponde a 0,6% do preço; os tributos, 30%; e a distribuição e revenda, 15%.

Os componentes do GLP residencial estão divididos em 46% para a distribuição e revenda; 19% tributos e 35% a parte da Petrobrás.

Denise Luna e Luana Pavani

Fonte: O Estado de S. Paulo