Petrobras altera a forma de comunicar o preço da gasolina e do diesel

08/02/2018

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, disse na quarta-feira (07) que, após o Carnaval, a empresa vai alterar a forma de informar as variações dos preços da gasolina e do diesel ao mercado, como o colunista Ancelmo Gois antecipou em sua coluna no GLOBO. Segundo ele, a estatal vai passar a divulgar o preço de venda dos combustíveis nas refinarias em reais e por litro.

O objetivo da Petrobras é mostrar que não tem culpa de as eventuais reduções de preço nas refinarias não estarem chegando aos preços finais para os consumidores.

— Queremos dar mais transparência. Hoje divulgamos o percentual médio na porta da refinaria. Agora, vamos dizer qual é o preço médio na porta da refinaria. Essa mudança começa a valer na segunda-feira após o carnaval. A Petrobras não tem condição de definir os preços. Hoje existe um movimento de alta no mercado internacional — disse Parente, em referência ao valor do petróleo no mercado externo.

A Fecombustíveis, que reúne os postos revendedores do país, afirmou, em nota, que os responsáveis pelas altas dos preços dos combustíveis são a metodologia de reajustes adotada pela Petrobras e o aumento dos impostos.

Parente destacou ainda que a empresa deve anunciar em três meses o resultado das conversas com um parceiro estratégico para construir a refinaria do Comperj, em Itaboraí. Ele disse que, semana passada, teve uma reunião “positiva” com essa empresa. Perguntado se era a chinesa CNPC, o executivo preferiu não comentar.

— Não gosto de falar de prazos, mas espero ter novidades em três meses (sobre o Comperj). Essa parceria no Comperj tem uma visão ampla, que inclui a revitalização e a otimização do parque de refino no Rio — disse Parente.

Mais US$ 5 bi por precaução

O presidente da Petrobras destacou ainda que, em breve, deve anunciar o modelo de parcerias para o setor de refino no país. Isso porque, segundo ele, a busca de parceiros até agora se mostrou complexa, uma vez que as refinarias estão incorporadas na holding Petrobras.

— Mas está mantida a busca por parceiro — afirmou ele.

Parente esclareceu que aumentou em US$ 5 bilhões a carteira total de ativos que podem ser vendidos por uma questão de precaução em caso de o preço do petróleo cair no mercado internacional. Para os anos de 2017/2018, a meta de venda está mantida em US$ 21 bilhões. Desse total, foram vendidos US$ 4,5 bilhões no ano passado.

O executivo explicou que o “ponto X” é quando o preço do petróleo ficar abaixo de US$ 62,4 por barril. Hoje, está em torno de US$ 70:

— Os US$ 5 bilhões adicionais são uma das medidas da nossa caixa de ferramentas em caso de o preço do petróleo cair.

Fonte: O Globo